17 abril, 2007

Mar-Horto

Esta não é a água
cristalina de beber
nem abençoada de benzer

É a água de cem mortos
pedaços de corpos
boiando na luz da manhã.

À noite,
ondas vermelhas
tropeçam
em mãos, pés, braços, orelhas...
no recuo da praia.

Angústia
do morto, do torto:
o arcabouço apodrecido dos sonhos.

Angústia maior:
a de ter olhos de ver.

Cláudia Cordeiro

11 comentários:

Jane Malaquias disse...

Estou encantada com o último livro que li: a poética do espaço de Gaston Bachelard, copio algo como comentário.
"mesmo que seja triste ou pesada, assim que é expressa,poeticamene expressa, a tristeza se modera, o peso se alivia. Por ser o espaço poético expresso,adquire valores de expansão."

Bosco Sobreira disse...

Obrigado pelo poema deixado como comentário, o que só enriquece meu humilde texto.
Parabéns pela escolha de hoje, um belo poema.

Helder Hortta disse...

gosto dessa sua iniciativa de divulgar no seu blog as suas leituras. os seus poetas vivos. Parabens.

ahh, e tomara que a minha gatinha volte mesmo.

bjs

Mani disse...

Voce sempre me apresenta poetas!! Adoro isso!!!

valter ferraz disse...

Martha, que bonito! Não conhecia. Acho que preciso atualizar minhas leituras.
Um beijo grande

valter ferraz disse...

Martha, esquecí de dizer, linkei o Plataforma da Poesia no Rodadas Literárias, tá?
Outro beijo

RAINHA MAB disse...

Sabe o que me deixa tranquila? É quando vc lê o que escrevo. Nesse momento tenho certeza de que fui entendida. E isso diminui minha solidão, vc nem imagina o quanto.

Obrigada.

ediney disse...

teu poema me fez ri de mim e dos mares mortos que carrego sempre comigo

Mônica Montone disse...

Triste, porém bonito :O)

beijos, florzinha

MM

Carol Montone disse...

Que bonito moça....obrigada por me apresentar....por mais que doa, ter olhos de ver é o único caminho não???poesia doída , doida e dona da gente....sempre
tudo de bom...
Carol Montone

cabidela digital disse...

que bom que você, dona maria, me fez uma visitinha. Agora eu lhe descobri aqui. E esta esquininha já tá anotada no meu caderninho pra quando eu sair pra passear. Eba! eu adora passear quando não estou viajando.
bjs
da cabidela, que tem sim, muito molho!
Ah! quem me dera tb dona maria ficar daquele jeito, só boiando feliz.

A Chuva de Maria

A Chuva de Maria

Muadiê Maria

Muadiê Maria