19 novembro, 2017



afora o teu amor me restarão,
por certo, soluços
teu nome
no lustro dos dias
reverberará calmo e límpido
como deve acontecer ao nome de um amor
que não se presta à solidão
ainda não sabes,
o amor tem destes entraves
de não querer morrer
e eu tenho destas manias de não querer matá-lo
quem ama sabe uma dor que não morre
o amado não sabe tudo
e algumas vezes deixa passar o atalho para o céu.
no fim uma brancura de desertos
cobrirá como um véu toda perdição. 
nada é perfeito.
mas, eu terei-te amado, para sempre,
do mesmo jeito.


Lázara Papandrea

11 novembro, 2017



Aquela árvore de natal
era um monumento à tragédia
a agressividade é de família

Martha


O pássaro pousou na Água Sumida
O pássaro voou.
Levei a vida carregando na boca
folhas, fios da sua barba, 
o desejo de fazer um ninho em seu peito.

Ao cair da tarde, o que sou: 
O pássaro cantando o passado no presente.
O que sobra senão essa água toda, meu corpo,
texto vivo cortado por sua mão imensa.

Martha 

10 novembro, 2017

O Testamento de Maria

O mundo é lugar de silêncio
O céu noturno é vasto 
Quando os pássaros se vão.
Nem uma palavra atinge o céu noturno
e o dia permanece indiferente
a qualquer coisa dita.

Ao ver dois homens juntos
esperar crueldade
novos decretos, novas palavras
para designar velharias.

Carregar o mistério do mundo
no âmago da alma 
como o corpo carrega, sombrio, 
sangue e tendões.

Martha Galrão 


08 novembro, 2017

Living


The fire in leaf and grass

so green it seems

each summer the last summer.



The wind blowing, the leaves

shivering in the sun,

each day the last day.



A red salamander

so cold and so

easy to catch, dreamily



moves his delicate feet

and long tail. I hold

my hand open for him to go.



Each minute the last minute.

Denise Levertov



__________________________

Vivendo


A chama em folha e grama

tão verde parece

cada verão o ultimo verão.



O vento soprando, as folhas

estremecendo ao sol,

cada dia o último dia.



Uma salamandra vermelha

tão fria e tão

fácil de pegar, distraidamente



move suas patinhas delicadas

e sua cauda comprida. Deixei

a mão aberta para ela partir.



Cada minuto o último minuto.


Traduzido por Wagner Miranda


Beatriz, Martha, Mônica e Leila
Mucugê, 2017

A Chuva de Maria

A Chuva de Maria

Muadiê Maria

Muadiê Maria