24 novembro, 2016



carregando toda a minha humana insignificância estou presa à Theia e fui olhar a Lua, a que se afasta cada vez mais do planeta, a que clareia nossas noites terrestres embaçando o brilho das estrelas. De um estrondo terrível nasceu a Lua. A vida é som e fúria. A vida depende do Vento. Eu ambígua e volúvel me apaixonei de novo por ele. Não ofereço a menor resistência, ele levanta a minha saia, eu deixo. Meu beijo é de língua na boca do Vento.

M.

fotos: Haroldo



se a vida fosse o meu desejo...


02 novembro, 2016

Desamparo

O infinito colossal.
Uma esfera girando
sem em cima
sem embaixo

você agachada
no quintal
catando mato

a escuridão
e seus  pés ancorados
na lei da gravidade 
enquanto a esfera segue
destinhorada.

M.
(para Landê)

O poeta
cortou minha carne:
'Choverá em tua memória'.

Fez-se a sangria.
Choveu memória
em minha aorta
e escreveu em algum mar
-que eu nem sabia-
entre o baço
e o coração.

Agora transpiro lembrança
aonde quer que eu siga.

Martha

A Chuva de Maria

A Chuva de Maria

Muadiê Maria

Muadiê Maria