23 março, 2017


Mulheres

Kuri passeia em céu nublado 
Com uma pipa amarela 
Seu sol empinado

Martha Galrão cheira a laranjeira 
Em flor 
No sertão que chove granizo

Simone Teodoro encontrou Hilda 
Sentada numa pedra 
lendo o olhar de um cão

Ângela Vilma contempla o sofá rasgado, o remendo do corte, a faca e a sorte
E eu, essa menina feia 

chorando no batente de casa 
minha avó que nunca retorna

com a poesia em suas mãos.

Carollini Assis 

17 março, 2017

Um dia o tempo escorreu manso lá na casa de meu pai e Emília. Um dia. E foi tão calmo e bom, que ele me iludiu. Parecia que duraria para meu sempre. Mas o tempo, vocês sabem, é um senhor implacável que vem cobrar sua conta, faça chuva ou faça sol.
Levou meu pai.
Agora está levando Emília. Lentamente. Temporada de dor e despedida.
Não há como não sentir muita tristeza nessa separação esquisita, irreversível, desconhecida. E alegria e amor por tudo construído.
Em meu coração, lentamente caem as paredes da casa, é só poeira o meu quarto, a cama que eu dormia, o espelho que distorcia as imagens, os mais de dez relógios de meu pai já pararam de funcionar, as fotos desbotando nos portarretratos, os gatos fugindo do abrigo, o mato cobrindo o quintal, o tempo crescendo ao redor, ao redor, ao redor. 
Nunca mais em minha vida é tempo demais.

M.

06 março, 2017


Noite, as murtas perfumando muito. Fui eu quem plantou, penso, enterrada numa solidão quando (quase) nada me consola.

M.

20 fevereiro, 2017


Perco-me
no labirinto
dos dias

Ganho-me
no labirinto
dos dias

A poesia
é o perde-ganha

E o labirinto
dos dias
é o labirinto
dos dias

Adília Lopes


Arte Poética

Escrever um poema 
é como apanhar um peixe 
com as mãos 
nunca pesquei assim um peixe 
mas posso falar assim 
sei que nem tudo o que vem às mãos 
é peixe 
o peixe debate-se 
tenta escapar-se 
escapa-se 
eu persisto 
luto corpo a corpo 
com o peixe 
ou morremos os dois 
ou nos salvamos os dois 
tenho de estar atenta 
tenho medo de não chegar ao fim 
é uma questão de vida ou de morte 
quando chego ao fim 
descubro que precisei de apanhar o peixe 
para me livrar do peixe 
livro-me do peixe com o alívio 
que não sei dizer

Adília Lopes

A Chuva de Maria

A Chuva de Maria

Muadiê Maria

Muadiê Maria