15 dezembro, 2006





















Titos _ Fernando Agostinho Mabota


Karingana ua Karingana


Este jeito de contar as nossas coisas

à maneira simples das profecias

- Karingana ua Karingana –

é que faz o poeta sentir-se

gente


E nem de outra forma se inventa

o que é propriedade dos poetas

nem em plena vida se transforma

a visão que parece impossível

em sonho do que vai ser.

- Karingana!


José Craveirinha

9 comentários:

Sílvia Câmara disse...

Viva a poesia! Salve os poetas.
Parabéns, Poeta Martha. beijo

Daniela Mann disse...

Um belissimo post!
Beijinhos

40 disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
40 disse...

Faço minhas as palavras das comentadoras que me precedem...
E aproveito para desejar-lhe um feliz Natal.
Até...

Fred Neumann disse...

Nada melhor do que viajar em um poema, escrito por nós ou lido, e segundos depois descobrir que esta viagem será diferente da próxima vez que depararmos com ele novamente.

Mente que fala verdade não mente,

Fred

Mônica Montone disse...

Deus do céu, Martha, que imagem é essa?! Nossa, me deixou sem poder olhar muito de tão forte, rs*]

Beijos, querida e um ótimo natal para vc e os seus, cheeeeio de luz e poesia

MM

Campêlo disse...

Feliz Natal, baianinha, que atravessou poeticamente no nosso caminho, como um gato do mato arisco atravessa de repente na frente de um veículo cheio de gente. Só restou ao motorista dar um freio de arrumação e, na nova desordem estabelecida, procurar uma nova maneira de entender o mundo e a poesia. Você venceu!
Clóvis Campêlo

EDINEY SANTANA disse...

sua flor é linda
sua blog muito legal
você é linda
e os texto são 101010101010000000

Denudado disse...

Karingana ua karingana é a forma como todos os contos começam em Maputo. O narrador começa por dizer Karingana ua karingana, os ouvintes (as crianças) respondem Karingana e o conto é então narrado.

Eu não sei o significado real desta expressão, só sei que ela corresponde a "Era uma vez..." em português.

Talvez assim se compreenda melhor o sentido deste belo poema do grande poeta moçambicano José Craveirinha.

A Chuva de Maria

A Chuva de Maria

Muadiê Maria

Muadiê Maria