16 fevereiro, 2007

Assombros

Às vezes, pequenos grandes terremotos
ocorrem do lado esquerdo do meu peito.
Fora, não se dão conta os desatentos.

Entre a aorta e a omoplata rolam
alquebrados sentimentos.

Entre as vértebras e as costelas
há vários esmagamentos.

Os mais íntimos
já me viram remexendo escombros.
Em mim há algo imóvel e soterrado
em permanente assombro.

Affonso Romano de Sant'Anna

4 comentários:

Nelson Ngungu Rossano disse...

Agradeço a visita! :)

Ainda à pouco tempo pus no meu blog um poema de do autor desse poema.

Gostei muito - é um assombro!

Nelson Ngungu Rossano disse...

Agradeço a visita! :)

Ainda à pouco tempo pus no meu blog um poema de do autor desse poema.

Gostei muito - é um assombro!

beijo

laura disse...

LINDO!LINDO!LINDO!
São deliciosos pequenos terremotos!
Só os amigos "do peito" conseguem perceber.
MARTINHA, pura sensibilidade!
TE AMO!
Beijos cheios de amor.

BELA disse...

ai, se não fosse o impedimento da Marina Colassanti...
hehehehee
eu amo este homem!
beijo
Bela

A Chuva de Maria

A Chuva de Maria

Muadiê Maria

Muadiê Maria