07 outubro, 2016



Todas as noites
teus barcos partem para o mar
A ondulação do teu corpo 
sustenta a alma marinha.

São teus olhos humanos e aflitos
que enchem os oceanos
Por toda a escuridão
tu gritas
de barco a barco
voz e abismos.

Tu te arrebentas
morta-viva nas planícies colossais
no relevo acidentado das águas

o talude
tua desolação e isolamento.
Na fossa das marianas
tu és, dentre todas,
a criatura mais estranha.


Martha



Nenhum comentário:

A Chuva de Maria

A Chuva de Maria

Muadiê Maria

Muadiê Maria