23 abril, 2010


Proibido proibido
a Jack Dubbelt


Tempo
horrível tempo
em que um centauro esplêndido me passeia
e acorda em mim azul azul
como o espelho azul dói entre nuvens
nuvens no azul de alguma tarde.
Invento um rio que não pára
dentro do seu sangue
e dentro dele estarei (nem que não queira).
Isso destrói como uma garra
que fecha e abre dentro da fechada carne
mas que fazer senão estar acordada na desordem
quando não se é mais que fera fera fera.

Centauro, há coisas que não se destroem.
És uma destas.


Olga Savary

3 comentários:

M. disse...

Obrigada, Marta. Bjs

cirandeira disse...

Que poema instigante! Não conhecia
a autora. Obrigada por partilhá-la.


Um abraço

Assis Freitas disse...

Savary e seus centauros, Tessália não lhes coube, e eles vagam em pastos de poesia. abraço

A Chuva de Maria

A Chuva de Maria

Muadiê Maria

Muadiê Maria