25 fevereiro, 2010

Só o amor me salva.


À MENINA MARTHA

A menina de 1974 brincava, sonhava,
dançava, jogava bola!
A menina de 1974 sorria, em poesia,
linguagem sem noves fora!
A menina de 1974 não sabia,
que a vida, numênica, é meia sola.
A menina de 1974 jaz, tenaz,
nas dores que não consola.


(À menina de 1974, esse chamado, cantilena, amiúde, cantarola.)


Pois ela, só ela,
poderá ajudar agora.

9 comentários:

Clóvis Campêlo disse...

A menina tinha cara de sapeca. Talvez ainda não tivesse descoberto os senões da vida.
A menina de 1974 ainda não sabia das revoluções e das derrotas.
Pensamos, logo sofremos.

Gerana Damulakis disse...

Original, complexo.

dai-ane disse...

E o amor como alimento desafia a morte, por ter como fermento a perenidade. Amo-te. Daiane, da PESSOA E DO POETA.

Chorik disse...

Que bonito! Parabéns à Daiane.

Cosmunicando disse...

que lindo e atávico!

Diz disse...

Bonito- muito.
E o meu amor erotizado(as outras formas, não) anda murchando, qrda, sem ter com quem trocar, jaz, como a menina ai :)
bjs Laura

Nydia Bonetti disse...

a menina que mora
no meu porta-retratos

sorri

ela não sabe das dores
das despedidas

não sabe da saudade

do vazio do vazio
ela nem sabe do tempo

que vai passar

Beijo, Martha!

Eliana Mara Chiossi disse...

Voltei, viu
E estou aqui, de seguidora fiel!


Bj

Lidi disse...

Que bela poesia! Adorei...

A Chuva de Maria

A Chuva de Maria

Muadiê Maria

Muadiê Maria