20 novembro, 2007

20 de novembro


Com a porta aberta

o que é que vai ser
quando o samba abrir uma fenda
bem no meio da sinfonia?

com'é que vai ficar, compadre
quando a macumba
entrar na sacristia?

e quando a pureza da cultura abrir as pernas
e mostrar pra todo mundo
que nunca teve cabaço

a dança do terreiro
rasgar terno e gravata

a ginga der meia-lua-de-compasso na compostura

a gente puder falar
sem algema ou atadura

a verdade
partir a cara da hipocrisia

e o pão for repartido na marra?

não adianta fechar a cara
nem se fazer de besta
qu'exu vai rir na abertura da festa
e Cristo vai gargalhar pela primeira vez na história
e
viva o pagode
da memória liberta
e do futuro concebido
com a porta aberta!

Luiz Silva - Cuti

5 comentários:

SAMANTHA ABREU disse...

puxa!
tá bom demais passar por aqui...

Um beijo, Martinha!

jorge disse...

Excelente, este texto..como tudo o que vc me envia ou sugere, né?
Vou divulgá-lo..alguns amigos e amigas irão adorar..
Obrigado, Gal...
Afrobeijos pra vc!!!

Koluki disse...

Consciencia Negra Sempre!
Com a porta aberta para todas as consciencias!

MARIAESCREVINHADORA disse...

Ótima escolha, Marthinha.
Adorei o poema.
Beijo,

Conceição

claudia patel :contos: disse...

Gostoso demais esse texto, guria!
Abraço,
Claudia

A Chuva de Maria

A Chuva de Maria

Muadiê Maria

Muadiê Maria