01 outubro, 2007

Não era dia de visita.
Recebi o telefonema às dez da manhã

no momento do meu banho de café.
Ele sussurrou poesia em meu ouvido
e meus olhos cheios d'água
anteviram o mar, o amor, a calmaria.

Martha



Matizes

Duas vezes me falaste do azul
entre as frestas da janela
da tua prisão matinal

Matizes do mar
Lampejo de vida livre,
refrescante

Em minhas andanças
fotografei, pra você,
um mar calmo, amplo
me convidando sem amarras
sem vendavais
a sentir a brisa do teu hálito
cor-de-rosa.

Embriagar-me na maciez
dos teus cabelos negros
Na alvura da tua pele,
escorregadia, excitante.
Martha multicolorida.

Haroldo

13 comentários:

LIRIS LETIERES disse...

Vixe! Que coisa mais linda...
Haroldo, meu filho, que inspiração!
Martha, mainha, e a janela tinha mar no nome ...era MAR istas, sem vistas
Bjs, minha querida!

Aline disse...

Marthinha, que fantástico!

Musa inspiradora, Haroldo completo! Já era poeta das cores, agora virou poeta das letras!

Parabéns aos dois!

Beijos!

José Calvino disse...

Linda!,poetamiga Martha,
Gostei das nuanças do Haroldo. Poeticamente, percebi certas matizes sutis das palavras... Os versos ficaram com tons multicores. Muito bonito!
Baiana e Haroldo, parabéns!

José Calvino

Clóvis Campêlo disse...

Cada poeta tem a musa que merece.
Os deuses nunca se enganam...

Iracema Chequer disse...

Brigada pelo comentário! Haroldo já tinha me passado o link do seu blog, sempre passo por aqui e gosto muito, principalmente da relação que faz do seu texto com imagens. Suas, de Haroldo, ou outras.
Bjs!

anjobaldio disse...

Valeu Martha, obrigado pela visita lá no anjo. Grande abraço.

fale com ela disse...

Nada como ser a musa inspiradora de alguém. E inspirar-se com a inspiração alheia, não é?! Aproveita.

Maria Muadié disse...

amigos, apesar dos vidros estarem sempre sujos de salitre e poeira, é por essa e outras que ainda tenho olhos de ver o mar...

Monica disse...

Engraçado, em andanças virtuais é a segunda página em um minuto que me fala dos azuis.

Monica disse...

Oh Martha, mais uma vez, obrigada pela visita carinhosa. Não poderei ir ao seu sarau, pois estarei ensaiando as músicas da peça que logo logo vai reestrear aqui. Te aviso quando estiver para acontecer.
Um abraço, Mônica.

Sílvia Câmara disse...

Não importa onde estivermos, Marthinha. O azul vem de dentro viu? Por isso, por mais mínima que seja a fresta, você o verá: lindo assim.
Desejo que as amarras sejam soltas e que enfim só haja aquela imensidão chamada amor. Isso você já tem, querida. Rejubile-se. Use desse expediente e o ano passo loguinho.
Dá um beijo de parabéns no Haroldo.
Vocês se merecem e se completam.
beijo bem grande desde Piatã.
P.S. Quero muito ir na 3ª feira.

variedades do jama disse...

Olá!
Gostei muito do teu blog.

Adriano Caroso disse...

Haroldo botou pra f... Lindo poema. E você Martha, deve estar que não se aguenta de contentamento...

A Chuva de Maria

A Chuva de Maria

Muadiê Maria

Muadiê Maria