26 janeiro, 2011


Da série: Meu caderno vermelho


H. precisava tirar uma foto sem ser visto. No coração da Avenida Sete, ele virou de costas e fotografou discretamente, sem olhar.
Quando chegou ao jornal e olhou as fotos, quem estava em uma delas?
Sua sogra Iray flanando na Avenida Sete.
Nem Jung acreditaria.

Martha

8 comentários:

Chorik disse...

Rindo muito aqui.

Princesa Franciny disse...

fiquei boiando, mas tudo bem!

beijos, queridíssima e muito axé pro seu ano

...

>>> obrigada pelas visitinhas ao bloguinho novo

Bípede Falante disse...

aahahahaha
sogra é sogra, é para sempre, onisciente e onipresente!!! :)

Anônimo disse...

sensacional!

vê-se logo que se trata de uma soteropolitana, gente da terra... mutações de Ubaíra, claro.

eu também adoro flanar na avenida sete... me vi... olhando para os lados e segurando a bolsa.

rs.

adorei.

J.

Clóvis Campêlo disse...

Contra fotos não há argumentos.

KImdaMagna disse...

...pois!
xaxuaxo

cirandeira disse...

ahahaha... Essa foi ótima. Quem está vivo sempre pode aparecer, quando menos
se espera!

Lilia disse...

adorei o flagrante
só assim pra eu ver Irá

Beijo pra vocês,
Lilia

A Chuva de Maria

A Chuva de Maria

Muadiê Maria

Muadiê Maria