04 abril, 2010

Valença

Em minha primeira viagem sem meu pai e minha mãe, no toca disco Benito de Paula cantava, do forno saia pão com queijo e presunto e eu só comia bolo de chocolate e maçã. Todas as noites, chá de folha de laranjeira para adormecer a menina que não conseguia dormir. De um reino distante, a menina queria com o seu pensamento apaziguar as brigas entre seu pai e sua mãe. Oh menina cheia de pensamentos! Minha tia me ensinava a ser mais confiante e entregar a alguém a minha proteção: "se Deus está comigo, quem está contra mim?".
Não me dei por vencida e venci os quinze dias de separação. Minha maior confidente e amiga foi a bicicleta alugada diariamente na praça, eu agora era livre na pequena cidade, veloz, ágil, sozinha e feliz, percorria todas as ruas e becos.
Em um desses dias eu vi uma mãe, magra e mal vestida, batendo com um chicote em seu pequeno filho nu, pedalei, pedalei, e pedalo ainda hoje, com essa cena correndo atrás de mim.

Martha

4 comentários:

Gerana Damulakis disse...

A cena seguirá com vc. Insuportável assistir uma criança sendo agredida.

Ana Cecília disse...

comovente, Martha. Certas cenas não podemos esquecer. Correm atrás, a gente de bicicleta neste mundo a diesel.

Silvana Nunes .'. disse...

Bom dia.
Tem coisas de que não podemos esquecer.
FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... deseja uma boa semana para você.
Saudações Educacionais !
em http://www.silnunesprof.blogspot.com

Janaina Amado disse...

Fiquei comovida, Martha, com seu relato. Beijo.

A Chuva de Maria

A Chuva de Maria

Muadiê Maria

Muadiê Maria