09 agosto, 2007

Ruth Orkin















Era uma vez duas torres.
Era uma vez um príncipe que morava no alto
de uma das torres. Na outra, uma princesa
deixava crescer os cabelos
para o caso dele precisar de tranças.

Martha

10 comentários:

Moacy Cirne disse...

Oi, sou do tempo em que a luz elétrica era desligada depois da sessão do filme no Pax, em Caicó. Sou do tempo em que não havia torres com príncipes, a não nas histórias de trancoso contadas por Tananã, à noite. Tananã era uma amiga da família, que morava perto da ponte do Rio Barra Nova. Ela sabia de todas as histórias de encantamento, inclusive as que envolviam princesas e suas tranças mágicas. Um beijo.

Maria Muadié disse...

Moacy, fiquei feliz por você ter me contado de que tempo. Menino, Tananã sabia das coisas!
Um beijo.

Diz disse...

Martha, tão feminino isto, né?
bonitooooo
bjs laura

Diz disse...

Eu mexi no blogger e agora sai assim assinado Diz, que é meu sobrenome, tenho dois blogs, nos dois saí Diz agora, não queria que fosse Laura, lá onde a Elianne assina- entendeu hihihi
eu sou meio esquizo, né? coisas de mundo virtual- posso ser quem quiser aqui :)
bjs Laura/ Elianne
o outro é:
www.orientacaopsi.blogspot.com

Ramon de Alencar disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ramon de Alencar disse...

...
-E as tranças devem ser atadas com um laço de nó cego.

Maria Muadié disse...

Se o nó for cego, quando for preciso, corta-se as tranças.
Um beijo,

MARIAESCREVINHADORA disse...

Marthinha,

Princesa bem espertinha, essa.
Resta ao príncipe aproveitar, não acha?
Bj

Conceição

Leandro Jardim disse...

tranças para embaralhar-se na poeisa em sua dança...

Espatódea disse...

Ah, as tranças...
Maria, Maria quanta poesia,
quanto amor,
quanta inspiração,
que nossos príncipes nos protejam, nos guardem dos perigos...
e nos transformem em contos e poesias.
beijão

A Chuva de Maria

A Chuva de Maria

Muadiê Maria

Muadiê Maria