05 abril, 2007

Pensamento vem de fora
e pensa que vem de dentro,
pensamento que expectora
o que no meu peito penso.
Pensamento a mil por hora,
tormento a todo momento.
Por que é que eu penso agora
sem o meu consentimento?
Se tudo aquilo que chora
cresce com o seu fermento;
pensamento, dê o fora,
saia do meu pensamento.
Pensamento, vá embora,
desapareça no vento.
E não jogarei sementes
em cima do seu cimento.

Arnaldo Antunes

4 comentários:

André, um Jerico disse...

adorei sua ida ao Jerico. Apareça sempre. Vou linkar seu blog ao meu.
Adorei o seu...
bjo

david santos disse...

Olá!
Que a tua Páscoa seja igual à de toda a humanidade: feliz.

Tânia França disse...

Olá querida! Hoje vim testar o que está acontecendo com Ceça e Clóvis que não conseguem postar em seu blog...
Beijim!

Lobo disse...

Mais uma do Arnaldo, adoro o trabalho do cara, principalmente aquela Música.

Boa páscoa, bj.

A Chuva de Maria

A Chuva de Maria

Muadiê Maria

Muadiê Maria